Você sabe o que é slow content?

close-up-de-digitacao-mao-da-mulher-de-negocios-no-teclado-do-laptop_1232-2958[1]
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

O objetivo da estratégia slow content é tornar as produções mais orgânicas, fluidas e criativas. Não se trata de reduzir o volume ou a velocidade de publicações, mas tratar de sua qualidade, profundidade e identidade.

Vivemos na era da informação e temos dias cada vez mais corridos, o que nos causa a impressão de ser mais difícil dar conta de tudo o que precisamos fazer.

As metas e prazos são muitos e cada vez mais urgentes, o que exige bastante das pessoas. Tudo isso tem como causa a ânsia por informação, levando a produção de conteúdo a se superar diariamente, principalmente, para atender a essa demanda.

Só que essa necessidade de produzir cada vez mais acaba por prejudicar a qualidade dessas informações, e é aqui que entra o slow content.

Essa estratégia vai de encontro ao modo atual de fazer marketing e não tem como foco métodos e prazos. Sua prioridade é entregar materiais aprofundados e de valor, mantendo atenção total na qualidade.

Se você não entende muito bem do assunto, leia este artigo. Nele, vamos explicar o conceito de slow content, suas vantagens e dar algumas dicas para aplicá-lo.

O que é slow content?

Slow content é a produção de conteúdo que leva em conta a qualidade em detrimento da quantidade. Em outras palavras, é a redução do número produzido para fazer melhor, considerando o ritmo da marca e seu público-alvo.

A premissa se baseia na ideia de que para um material ter qualidade, é necessário, primeiro, respeitar o ritmo de quem o produz.

Não é uma metodologia mecânica, mas quando, por exemplo, uma empresa terceirizada de zelador, faz uso dela, segue as regras de SEO com menos rigor, tem mais liberdade para produzir e segue seu propósito e identidade.

Nenhuma marca quer estar relacionada a um conteúdo ruim, mas manter um padrão de qualidade elevado se tornou um desafio hoje em dia, tendo em vista a alta demanda por informação.

As plataformas digitais aumentaram a competição na internet, e por isso as empresas começaram a investir em estratégias mais agressivas para impactar o público.

Só que esse processo de produção acelerado não se deve apenas a essa situação, mas também ao fato de que a ansiedade da audiência incentiva a produção de materiais com pouca profundidade.

Sabe-se sobre muita coisa olhando apenas a superfície dos temas, então, o slow content expõe a gravidade desse problema. Os usuários estão viciados em informações rápidas e curtas, o que aumenta a demanda por conteúdos superficiais.

Mesmo as plataformas de busca, como o Google, estão cada vez mais exigentes e intolerantes com materiais fracos, falsos ou ruins, a quantidade de publicações só aumenta, com uma qualidade que deixa a desejar.

Isso tem levado a sociedade a se aproximar de uma saturação generalizada, algo que o slow content deseja mudar.

Apesar desse frenesi de informações, há muitas pessoas que evitam essa situação e estão em busca de materiais aprofundados. Com isso, surgem produtores que se preocupam com esse público e querem levar a qualidade que eles procuram.

Agora que você já entende o conceito dessa estratégia, vamos mostrar por qual motivo diversas organizações, como um escritório de engenharia de avaliações, estão começando a investir nela. Acompanhe!

As vantagens do slow content

Essa metodologia de produção de conteúdos traz diversas vantagens para marcas e consumidores, como:

  • Atende às expectativas;
  • Define a identidade da marca;
  • Fortalece sua autoridade no mercado;
  • Cria conexão com a audiência.

Só que ela não para por aí, por meio dessa prática, a companhia consegue fazer com que sua equipe tenha mais tempo para produzir os materiais.

Criar conteúdos requer esforço intelectual e até mesmo artístico. Se uma empresa de engenharia de ar condicionado, por exemplo, quer que sua estratégia de storytelling funcione, o conteúdo precisa de mais do que algumas horas para ser criado.

Só que não é isso que costumamos ver, mas, sim, redatores que em poucas horas precisam produzir materiais extensos, sem que possam reler e revisar, para aparar as arestas e aí sim publicá-los.

Navegando pela web, começamos a encontrar conteúdos com frases sem sentido, superficial e muito rejeitados pela audiência. Olhando essa situação de outro modo, vemos todo um investimento de tempo e dinheiro indo pelo ralo.

O slow content quer eliminar esse problema, para que as publicações tenham mais consistência. Para isso, os redatores terão mais tempo para trabalhar, pesquisar com calma e revisar no momento certo.

Outra vantagem é que ele garante mais autoridade para a marca, visto que os materiais fornecem uma boa reputação para o negócio. Consequentemente, vemos o número de compartilhamentos aumentar.

Isso gera tráfego e mais visibilidade para, por exemplo, a empresa de manutenção em motor de portão, trazendo mais oportunidades de venda.

Por outro lado, os conteúdos superficiais são descartados e não geram engajamento, uma vez que a audiência dificilmente vai enxergar algum valor. Com isso, poucos acabam consumindo um segundo ou terceiro material.

Publicações aprofundadas requerem mais pesquisa e é isso que confere mais autoridade para a marca. O usuário percebe que houve um trabalho cuidadoso em sua elaboração, pois respondeu às suas dúvidas ou até mesmo solucionou um problema.

Também há um menor desperdício de tempo e recursos, tendo em vista que essa estratégia se baseia no fato de que o marketing de conteúdo é uma ação de longo prazo.

Quando construímos um imóvel, por exemplo, queremos que ele dure por décadas, só que, para isso, os materiais, como guarda corpo de inox, precisam ser de qualidade e a obra precisa de um tempo para ser construída.

Não se constrói uma casa em um final de semana, assim como não se produz um material de qualidade em duas horas. Então, ao invés de pensar em produção desenfreada, diminuir o ritmo significa valorizar o seu tempo e seus recursos.

Entendendo as vantagens dessa prática, no próximo tópico, vamos mostrar como aplicar o conceito de slow content em seu negócio.

Como aplicar o slow content

Para essa estratégia, tanto as publicações quanto as páginas não têm um fim nelas mesmas. Elas são parte de um grande contexto contado pela companhia.

É isso que garante a identidade do conteúdo e faz com que ele se diferencie dos demais. E para chegar neste nível de qualidade, algumas ações são importantes, como:

Fazer uma boa pesquisa

Se uma organização deseja escrever sobre programação de CLP, por exemplo, precisa ir além da inspiração em parceiros e concorrentes. É necessário variar as fontes que costuma utilizar e até mesmo explorar informações de empresas em outros países.

O Google é um aliado, mas ele não é único, então, é interessante usar aqueles menos populares. A companhia também deve trazer à tona temas que saiam de sua zona de conforto, para que possa descobrir opiniões e visões diferentes.

Os sites e redes sociais são práticos, mas os redatores também podem pesquisar em outras fontes, como artigos acadêmicos, livros, eventos, dentre outras possibilidades.

Elaborar com cuidado

Por exemplo, imagine uma empresa de limpeza de fachada que trabalha as informações com cuidado, para que seu conteúdo possa dialogar com a persona.

É dessa forma que o material vai entregar valor e gerar respeito, impactando a vida do usuário de maneira positiva.

O cuidado não começa no momento em que o redator escreve o texto, mas, sim, enquanto escolhe as fontes e também na maneira como constrói sua argumentação.

Para cuidar do conteúdo, a companhia precisa conhecer o comportamento, intenção e valores de seu público. É isso que vai permitir que ela entregue verdadeiras soluções para as pessoas.

Oferecer valor

Oferecer valor é a característica mais importante da produção de conteúdo, só que um material só é valioso quando ele realmente faz diferença para a persona.

Quando o usuário pesquisa, por exemplo, sobre cobertura retrátil preço, é necessário que ele encontre publicações que não se apegam apenas a uma ideia central, mas em suas particularidades que o tornam especial.

Para isso, é necessário pensar nos atributos que podem tornar o seu conteúdo melhor e mais especial do que os da concorrência.

Encontre uma linguagem, estabeleça uma comunicação e crie um relacionamento com o usuário que ele nunca vai encontrar em outros sites ou blogs.

Conclusão

Nós sabemos que as pessoas buscam informações constantemente, mas assim como você, existem milhares de outras empresas publicando materiais diariamente. Ou seja, o público sempre terá o que procura.

Cabe ao seu negócio oferecer conteúdos de qualidade, para muito mais do que responder à uma dúvida, entregue valor para os usuários. Com o slow content você consegue fazer isso, ao mesmo tempo em que eleva a autoridade da sua empresa.Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Compartilhe com seus amigos!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no tumblr