O que são cosméticos limpos e sustentáveis?

makeup-brush-1761648_960_720[1]
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

A busca por ingredientes seguros para a saúde, processos produtivos ecologicamente equilibrados e respeitosos com os seus trabalhadores torna-se algo obrigatório nas indústrias. 

A busca por métodos e matérias-primas que não agridam tanto o meio ambiente tornou-se uma necessidade imperativa em diferentes segmentos econômicos. Um deles é a indústria de perfumaria, maquiagem e produtos de higiene.

Ela é reconhecida como uma das que mais poluem o meio ambiente, especialmente, com o descarte incorreto dos produtos e de suas embalagens, que acabam sujando rios e mares. De acordo com projeções da consultoria Euromonitor, 40% de todo o plástico fabricado em 2020 será usado apenas uma vez.

O contexto vem impondo a esse ramo econômico o ato de repensar, buscando jeitos mais equilibrados e responsáveis de produzir. Por isso, antes de comprar produtos para a pele, confira algumas dicas para adquirir os que menos prejudicam o meio ambiente e a sua saúde.

Beleza limpa

A necessidade de desenvolver processos  mais equilibrados de produção e consumo criou novos conceitos, como o de “beleza limpa”, ou clean beauty, em inglês.

Para ser considerado “limpo”, o cosmético deve ser livre de substâncias orgânicas ou sintéticas, como parabeno (conservante), ftalatos (solventes), triclosan (presente em sabonetes antibacterianos e desodorantes), mercúrio, sulfato de sódio, silicone e benzofenonas (encontrados em esmaltes, protetores solares, maquiagens e produtos para o cabelo).

Os impactos dessas substâncias ainda não são totalmente conhecidos pela ciência. Recentemente, pesquisas em diferentes universidades vêm apontando alguns pontos negativos desses ingredientes sobre o organismo humano, com destaque para as desregulações hormonais e o aumento da resistência às bactérias.

Cadeia produtiva

Além da composição química, outro critério importante para definir produtos de “beleza limpa” é a cadeia produtiva. Ela envolve desde uma extração amigável de ingredientes tirados do meio ambiente até uma produção que respeite direitos humanos e trabalhistas. Outro fator fundamental é que os produtos “limpos” não são testados em animais. 

Para isso, é essencial que as embalagens contenham linguagem acessível e organizem as informações (sobre os ingredientes e o modo de produção) de modo organizado e transparente. Entre os dados fundamentais, estão: se a embalagem é biodegradável e a empresa possui um sistema de refil ou uma estrutura de logística reversa — ciclo que pensa como será o retorno de materiais já utilizados durante o processo produtivo.

Propaganda enganosa

Em um mundo no qual a sustentabilidade se tornou um slogan eficiente e chamativo, muitas empresas praticam o greenwashing, que ocorre com a criação de um marketing a partir de termos como “natural”, “verde” e “eco”, mas, na prática, não desenvolve uma cadeia produtiva responsável, utilizando ingredientes que podem prejudicar o organismo humano ou possuem efeitos ainda desconhecidos.

Por isso, é fundamental saber as diferenças entre as nomenclaturas. Enquanto cosméticos veganos só são feitos a partir de substâncias sintéticas e não utilizam ingredientes de origem animal, como cera de abelha, mel, colágeno, albumina e carmine  gelatina, os produtos orgânicos têm matérias-primas certificadas, com uma cadeia produtiva livre de agrotóxicos e outros agentes químicos.

Já os cosméticos livres de crueldade, ou cruelty free, em inglês, não foram produzidos a partir de testes em animais. É importante perceber como esses conceitos estão relacionados, mas não são sinônimos. É possível que um produto não faça testagens em animais, mas não seja vegano, por exemplo.
É importante mencionar que a legislação brasileira não determina diretrizes específicas para definir quais são as concentrações mínimas exigidas para cada ingrediente natural e as restrições para os ingredientes sintéticos. Essa lacuna legislativa facilita a prática de greenwashing e propagandas enganosas, que tentam vender um produto como “eco”, quando, na verdade, ele não é.

Compartilhe com seus amigos!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no tumblr