Mola de suspensão do carro: saiba quando trocar

technology-3198585_960_720[1]
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Confira algumas dicas dos problemas mais comuns que afetam as molas e quando elas devem ser trocadas.

Um automóvel é um maquinário complexo que envolve diferentes tecnologias, desde as suas partes elétricas até as motoras. Além de precisar usar o carro com cuidado, é necessário realizar uma manutenção frequente e conhecer minimamente os diferentes recursos que o constituem.

Quem deseja comprar ou trocar de carro precisa estar atento não apenas ao design e tamanho de determinado modelo, mas também às suas configurações mecânicas e técnicas. Por isso, se você foi pesquisar alguns carros usados e está em dúvida na hora de avaliar as condições de cada veículo, confira algumas dicas sobre a função da mola de suspensão, os problemas mais comuns e o momento de trocá-la.

Função

Um carro é composto por diferentes sistemas. A mola é um dos integrantes do complexo de suspensão de um veículo, que é composto por outros itens, como barra estabilizadora, amortecedores e bandejas. 

Quando atuam em conjunto de forma correta, todos esses componentes garantem que as rodas estejam em contato com o solo de forma capaz de conferir estabilidade ao veículo, sobretudo em curvas, e ainda ligam o chassi às rodas. 

Esse sistema também proporciona conforto tanto para passageiros como para motoristas. Porém, quando está em más condições, acaba comprometendo outras peças e até a segurança dos usuários.

Na prática, a mola mantém o carro na altura ideal para dar estabilidade ao motorista e absorver os impactos da superfície na roda do carro. A mola central se distende e se contrai de acordo com o movimento do veículo, sustentando-o para não pressionar a suspensão de modo errado.

Via de regra, as molas apresentam um formato espiral. Contudo, elas podem apresentar três formas diferentes: helicoidais (modelos compactos e leves, cujas extremidades podem ser mais estreitas ou largas), flexão (mais utilizada em veículos de carga) e torção (bastante comum em picapes).

Problemas comuns

Alguns fatores acabam por danificar as molas que integram o sistema de suspensão. Um deles são os buracos nas pistas. Por isso, quando dirigir, o melhor para garantir a boa manutenção do seu carro é não parar o veículo bruscamente e muito menos fazer curvas nessa situação. 

Essa recomendação se justifica, pois dirigir de forma agressiva ou carregar muito peso no veículo reduz a duração das pastilhas de freio, embreagem e sistema de suspensão do automóvel. Outros fatores que prejudicam as molas de suspensão são a má qualidade do asfalto e a irregularidade de diferentes terrenos.

Recomendações

Por isso, sempre que passar por uma lombada ou valetas, sempre o faça de frente (pois isso distribui todo o peso do carro em três todas) e nunca na diagonal (já que, assim, você torce o monobloco).

Outra recomendação fundamental é andar com os pneus sempre cheios, pois, caso contrário, pode haver um prematuro de pivôs, barras de direção, barras e dos próprios pneus. A caixa de direção hidráulica também acaba sendo sobrecarregada quando os pneus estão murchos. 

Quando trocar?

É nítido que a durabilidade e a eficácia da mola de um carro estão diretamente relacionadas à forma como ele é utilizado. Quanto mais carga e impactos o carro for submetido, mais frequentes devem ser as verificações sobre o estado das molas. 

Não é obrigatório trocar as molas junto aos amortecedores da suspensão: elas podem ser substituídas a cada duas trocas de amortecedor ou em caso de haver sinais de fadiga e desgastes (como o toque entre elos). As molas também devem ser trocadas se estiverem trincadas, enferrujadas ou retraídas (o que impacta a altura do carro).

Por fim, fique sempre atento quando ouvir ruídos enquanto o carro estiver funcionando, quando houver perda de estabilidade, balanço durante frenagens e acelerações, desgaste excessivo dos pneus e  se sentir impacto mais forte do que o esperado ao passar sobre uma lombada ou valeta.

Compartilhe com seus amigos!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no tumblr