Tags

Posts com a tag ‘YouTube

Workshop Monetização e ferramentas Youtube

Workshop Monetização e ferramentas Youtube

O  SEBRAE/RJ e a ABMI Associação Brasileira da Música Independente, no dia 15/10, de 10h às 12h, no CRAB, promovem:

Workshop Monetização e ferramentas Youtube

Conteúdo:

- Youtube overview: história, números, comparativo com serviços semelhantes;

- Ferramentas disponíveis para monetização do conteúdo: tipos de parceiros, que tipo de usuário pode acessar cada tipo de ferramenta (canal oficial, content ID, premium partner, etc);

- Recomendações (quando o artista ou o selo deve optar por ter um parceiro que administre seu conteúdo no Youtube)

- Google+ e HangOut

- Google Play

- Desenvolvimento de audiência no YouTube

- Novidades

Quem pode participar?

Músicos, artistas, produtores, selos, gravadoras, associados ou não à ABMI, e cadastrados no projeto Estrombo RJ.

Inscrições:

abmi@abmi.com.br

Vídeos de música podem ganhar mais destaque em buscas do Google

Para valorizar ainda mais os vídeos de música hospedados pelo YouTube, resultados do Google apresentarão clipes com destaque maior. Literalmente → http://bit.ly/1bCkXZs

Youtube abre streaming ao vivo para perfis com 100 ou mais assinantes

Youtube abre streaming ao vivo para perfis com 100 ou mais assinantes → http://bit.ly/1dm4EyQ

YouTube investe no site de vídeos de música Vevo

YouTube investe no site de vídeos de música Vevo. Saiba mais → http://glo.bo/13zBs6b

Músicos amadores: onde termina o fã e começa o artista?

Foto: Microphone, por ernestduffoo, CC BY 2.0

Você já deve ter passado por isso: estava navegando no YouTube, buscando alguma música específica e se deparou não só com o conteúdo procurado, mas também com vídeos de usuários tocando a mesma música. Na internet, fãs de gêneros variados tornam públicas suas habilidades musicais ao registrar e compartilhar vídeos caseiros interpretando e recriando canções tornadas famosas por outros artistas. Enquanto alguns fazem isso por diversão, outros investem a sério nesse espaço, criando seu próprio grupo de admiradores.

Com o barateamento dos meios de produção e as possibilidades de armazenamento a custo quase zero, muitos usuários ficaram à vontade para se expor dessa maneira no ambiente virtual. Ainda que muitas das gravações sejam de caráter meio amador, esse conteúdo ajuda a borrar os limites – antes, melhor definidos – entre quem é fã e quem é o músico profissional.

Aqui, existe um duplo movimento interessante que precisa ser comentado. Primeiramente, como falamos, alguns desses usuários vão fazer a transição para o meio profissional, muitas vezes ancorados por um “padrinho” já bem estabelecido no mercado musical. É o caso, por exemplo, da holandesa Esmée Denters. Ela ficou conhecida ao publicar no YouTube alguns vídeos com covers amadores de grandes nomes da música pop atual, como podemos ver abaixo.

A cantora acabou chamando a atenção da mídia local e, posteriormente, do músico Justin Timberlake. Esmée foi a primeira artista contratada pelo selo de Justin, Tennman Records, associado à Interscope Records. Esse é só mais um caso da nova mitologia digital que vem surgindo nos últimos anos: a do músico amador que é descoberto nas redes sociais e é contratado por uma gravadora. Assim como ainda acontece com as fitas demo, será que o YouTube e as redes sociais são atualmente as principais janelas para a exposição do trabalho musical?

Outro ponto diz respeito à circulação de música na internet. Em pesquisa realizada ano passado entre internautas americanos, foi apontado que, dentre os entrevistados que ouvem música de graça na internet, 58% usam o YouTube para isso. E, muitas vezes, um bom cover amador pode ser tão sedutor quanto o registro oficial de um show ou um videoclipe. Por isso, uma boa estratégia é estimular a criação desse tipo de conteúdo entre o seu público, seja fazendo concursos ou compartilhando nas suas próprias redes esse material. Por mais que o tráfego não seja direcionado diretamente para você, mais pessoas entram em contato com a sua música. E vale lembrar que, na cultura digital, a atenção é uma moeda bastante valiosa.

Você conhece algum caso desse tipo? Fale pra gente nos comentários.

Acompanhe o Estrombo também nas nossas redes: Twitter, Facebook e YouTube.

Foto: Microphone, por ernestduffoo, CC BY 2.0

Farol Digital

 

Siga o @estrombo

Facebook