Blog

Economia criativa no Globo: "Tempo de criar"

Be Sociable, Share!

Na rota da economia criativa, país começa a entender como a cultura pode valorizar bens e serviços

Um livro de biologia é um material didático. Já usar um game para ensinar a disciplina é uma manifestação da economia criativa. A diferença entre uma coisa e outra é o motor de um movimento que acaba de receber reforço no país, com a criação da Secretaria da Economia Criativa, pelo Ministério da Cultura: a habilidade de usar a criatividade e o conhecimento para produzir bens e serviços inovadores, capazes de gerar renda e empregos.

O exemplo acima é uma entre inúmeras possibilidades de negócios economicamente criativos. Idealizado há 13 anos na Inglaterra, mas ainda desconhecido no Brasil, o modelo vem sendo apropriado por empreendedores de diferentes segmentos de negócios — como moda, design, arquitetura, audiovisual, educação e novas mídias — que já entenderam como a arte e a cultura podem agregar valor a bens e serviços.

Rio ganhará incubadoras

Segundo estudo da Firjan, a cadeia da indústria criativa já representa 17,8% do PIB do Estado do Rio (cerca de R$ 54,6 bilhões) e emprega 82 mil pessoas. Números que, para Marcos André, coordenador de Economia Criativa da Secretaria de Estado de Cultura do Rio, revelam o potencial fluminense de transformar boas ideias em inovação. Parte delas, inclusive, está sendo avaliada pelo projeto Rio Criativo, que acaba de encerrar seu primeiro edital. De 124 planos de negócios recebidos, 24 serão desenvolvidos em duas incubadoras (uma no Porto e outra na Baixada, que serão inauguradas em maio) e quatro receberão consultoria virtual.

— Isso é só o início. Ainda há muito a ser feito, como identificar as vocações das cidades, organizar suas cadeias produtivas e pensar em políticas de fomento — diz André.

As irmãs Alessandra e Vanessa Wagner, da Zóia — que produz acessórios artesanais com design moderno — integram o time que contribui para essa roda girar. Após três anos incubada no Instituto Gênesis, da PUC-Rio, a empresa migrou para um escritório cinco vezes maior, no Centro, crescendo 20% no ano passado. Tudo porque acredita na criatividade como vantagem competitiva.

— A ideia é criar acessórios com linguagem própria, modelados um a um — diz Alessandra. — Brincamos que não fazemos joias nem bijuterias. Criamos zóias.

Expansão inibida por carência de qualificação e informação. Segmento criativo sofre com falta de incentivo e de políticas de fomento.

Apesar de o modelo de economia criativa estar ganhando projeção no país, especialistas afirmam que ao menos dois gargalos dificultam o seu desenvolvimento: falta de informação e carência de formação. O primeiro foi comprovado por enquete, no ar no site do Boa Chance, que pede para os leitores definirem economia criativa em 140 caracteres. A maioria associou o termo a sustentabilidade, meio ambiente e reaproveitamento do lixo.

Mas algumas pessoas já se apropriaram do conceito. No nosso Twitter (@boachance), onde a pergunta também foi postada, entretanto, a jornalista Fernanda Con’Andra respondeu que economia criativa significa “inteligência em novos modelos de negócios, novos processos, novas tecnologias, criatividade e inovações”. E buscamos também definições de especialistas, como as que estão em frases na capa do caderno.

É uma tecnologia que demanda e gera tecnologia de ponta, não polui, paga os melhores salários e tem como matéria-prima um recurso infinitamente renovável, ainda mais no Brasil: criatividade.
Ana de Hollanda, ministra da cultura

Todo espaço onde há mais dúvidas do que certezas, risco do que segurança, é movido a criatividade. Para mim, economia criativa são as perguntas, em oposição à indústria das respostas que caracterizou o século XX.
Silvio Meira, cientista-chefe do C.E.S.A.R

A nova moeda da economia é o conhecimento. E a vantagem competitiva, neste cenário, é a inovação, fruto da criatividade que desenvolve novos negócios, processos e tecnologias.
Jean Paul Jacob, pesquisador emérito da IBM

- Há uma dificuldade de conceituação. E de definir quais setores são criativos ou não, já que o movimento é recente. Muita gente ainda não sabe que está inserida nesse sistema e que pode se beneficiar dele – diz José Alberto Aranha, diretor do Instituto Gênesis, da PUC-Rio, que trabalha o desenvolvimento de empreendedores.

Para driblar a falta de conhecimento sobre o assunto, o Polo de Economia Criativa (PEC), na Gávea, acaba de ganhar um comitê formado por profissionais de diferentes áreas, como moda, design, teatro, música, cinema e gastronomia. A ideia é refletir sobre o futuro da economia criativa e elaborar ações estratégicas para transformar habilidades individuais em negócios sustentáveis, além de produzir material de pesquisa sobre as demandas do setor. O estabelecimento, criado em setembro, também oferece cursos para desenvolver a capacidade empreendedora.

— Queremos estabelecer uma rede de cooperação que estimule o intercâmbio de conhecimento, ideias e tecnologias, tornando o nosso mercado interno mais competitivo, inovador e multidisciplinar – explica Adriana Dias, idealizadora do projeto ao lado de Leonardo Edde, da Urca Filmes.

Quanto ao segundo gargalo, o da carência de formação, o projeto Rio Criativo já começou a criar soluções para amenizar o problema. De 27 de setembro a 14 de janeiro, ofereceu cursos sobre empreendedorismo, cultura e inovação a 2.780 candidatos à incubação. O objetivo, agora, é continuar dando subsídios para que talentos possam tirar suas ideias do papel.

— As incubadoras terão balcões de atendimento para tirar dúvidas do público em geral. Também vamos organizar debates e rodadas de negócio para abrir a cabeça das pessoas. Queremos que elas comecem a pensar nos segmentos que vão movimentar a economia do estado após o boom do petróleo, como turismo cultural, produção de eventos e educação. Afinal, a matéria-prima se esgota, mas a criatividade não — diz Marcos André, da coordenação de Economia Criativa da Secretaria de Estado e Cultura, criada no ano passado.

Com investimento de R$ 2 milhões do Ministério da Cultura, as incubadoras — que oferecerão estrutura para empresários sediarem empreendimentos por até 18 meses — têm chamado a atenção de outros estados pelo seu pioneirismo. Os governos de Pernambuco, Bahia e Santa Catarina já entraram em contato com a secretaria, interessados em reproduzir o modelo. Para Cezar Vasquez, diretor-superintendente do Sebrae do Rio, a iniciativa é um passo importante para a elaboração de uma estratégia focada na identificação de talentos e transformação de ideias em inovação:

— A criatividade e o imaterial passaram a ser elementos decisivos do processo produtivo. E o Rio é o estado brasileiro que mais concentra pessoas trabalhando em setores criativos. Temos vocação natural para a diversidade, para a criação de fluxos entre diferentes áreas e formação de redes. Mas ainda faltam ações e políticas públicas de articulação.

Uma das contribuições do Sebrae para a expansão da economia criativa no Rio é o lançamento do projeto Estrombo, em dezembro, para desenvolver a indústria da música no estado. Feita em parceria com o Fundo Multilateral de Investimentos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (Fomin/BID), a Fundação Getúlio Vargas (FGV) e o Facebook, a iniciativa capacita, formaliza e apoia, por três anos, pessoas e empreendimentos ligados à música para trabalharem com novas tecnologias, como canais de distribuição digitais.

— A cadeia produtiva da música ainda carece de profissionalização e formalização para atingir seu potencial de gerar renda e emprego — diz Vasquez, frisando que o Estrombo é o primeiro projeto de economia criativa apoiado pelo BID no mundo e que servirá de modelo para outros latino-americanos.

Segundo estudo da Firjan, as oportunidades crescentes de negócios na indústria criativa têm incentivado alunos a optarem por carreiras relacionadas à área. Em 2006, de um total de 737 mil formandos no país, 90 mil eram de 118 cursos relacionados ao setor. No Rio, a proporção foi ainda maior: 13,3% dos 74 mil formandos optaram por carreiras criativas.

É o caso das empresárias Bárbara Cruz, formada em desenho industrial e moda; Eduarda Araújo, também graduada em desenho industrial; e Joana Contino, que tem diploma de jornalista. Juntas, elas comandam a Santas, na Gávea , que vende roupas e acessórios com toques artesanais, fibras naturais e temas inspirados na cultura popular.

— Somos parte desse movimento: investimos em peças exclusivas, que fogem da moda da estação — resume Joana.

(Fonte: O Globo: Boa Chance – 6 de fevereiro de 2011)

Inspire-se no blog do Estrombo e acompanhe as novidades também no Twitter, Facebook, YouTube e Flickr.

Be Sociable, Share!

Posts relacionados

Deixe um comentário

Farol Digital

 

Siga o @estrombo

Facebook