Blog

Produção musical no celular com GarageBand

Be Sociable, Share!

Nesta semana, a Apple lançou uma versão de seu popular programa de produção musical GarageBand para iPhone e iPod Touch – o app já estava disponível para iPad.

Já comentamos algumas vezes no blog do Estrombo como o celular se tornou um importante canal de distribuição para a música. Aos poucos, vemos que ele é usado também como um instrumento de criação, através de aplicativos que vêm sendo desenvolvidos a todo instante. O lançamento do GarageBand para iPhone reforça ainda mais esse uso do celular. O programa permite criar de várias maneiras, com manipulação de faixas pré-gravadas ou mesmo com a composição de novos sons através dos instrumentos sintetizados no app. Também é possível fazer registros sonoros com o microfone embutido no próprio celular ou por acoplagem de um captador externo. Outra característica importante é a capacidade de exportar os arquivos sem compressão, que podem ser retrabalhados em outros softwares.

Essa inovação aponta para duas provocações. A primeira trata-se da abertura da esfera de produção para o público médio e não-especializado. É claro que nem todos possuem condição financeira de pagar por um iPhone, ainda caro para os padrões brasileiros, mas o app em si custa US$ 5. Para aqueles que já compraram a versão do iPad, o GarageBand do iPhone é grátis. Além do preço, a usabilidade do próprio programa é relativamente fácil, principalmente para músicos mais experientes. Mesmo aqueles consumidores que não possuem um treinamento profissional em produção, podem explorar as diversas funcionalidades e se aventurar na criação de suas próprias faixas utilizando os diversos recursos do programa.

Uma segunda provocação está na “mobilidade musical” atual, que não se manifesta mais somente na esfera da reprodução. O próprio celular passa a ser também um aparelho de produção móvel, pois torna possível levar um estúdio de gravação dentro do bolso. Obviamente, não se trata de competição com os estúdios físicos, nem com os produtores que se especializaram ao longo dos anos para assumir seus cargos. Esses aparelhos vêm para somar ao invés de tirar lugares, pois aponta para a complexidade com que os desenvolvimentos tecnológicos alteram a cultura musical, da criação ao consumo. Afinal, as esferas que eram bem determinadas, possuem fronteiras mais fluidas, onde o ouvinte pode se tornar também produtor usando seu próprio celular.

Onde isso vai dar exatamente não é possível saber. Por enquanto, o Estrombo continua trazendo novidades do mercado, mapeando-o e inspirando novos negócios em música.

Acompanhe-nos também no Twitter, Facebook e YouTube.

Be Sociable, Share!

Posts relacionados

Deixe um comentário

Farol Digital

 

Siga o @estrombo

Facebook