Blog

No Brasil Econômico: “Facebook, BID e Sebrae se unem pela música do Rio”

Be Sociable, Share!

Por João Paulo Freitas

Projeto Estrombo, que conta ainda com apoio da FGV, busca novos modelos de negócio para artistas usando a força das redes sociais

O Sebrae e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) decidiram unir forças para ajudar a indústria da música do Rio de Janeiro a desenvolver novos modelos de negócios.

Para isso, a parceria destinou cerca de U$ 2,2 milhões ao Estrombo, projeto voltado ao desenvolvimento desse segmento da economia por meio do uso de novas tecnologias.

A motivação por trás da empreitada, que tem ainda como parceiros a Fundação Getúlio Vargas (FGV) e o Facebook, está na transformação da indústria musical. Antes fortemente baseada na venda de CDs, as empresas do setor, principalmente as gravadoras, têm sofrido com a troca cada vez mais intensa pelas músicas em formato digital e, claro, com a pirataria.

Por outro lado, a rede mundial tem possibilitado o surgimento de novos artistas.

Exemplos não faltam e vão da cantora brasileira Mallu Magalhães, que fez sucesso na internet aos 15 anos antes mesmo de gravar um CD, ao cantor americano Justin Bieber, descoberto após publicar algumas de suas apresentações no site de vídeos Youtube.

Segundo a diretora de Economia Criativa do Sebrae-RJ, Heliana Marinho, o Estrombo visa justamente incentivar novas formas de negócios no meio musical com a utilização da internet e seus diversos recursos, principalmente as chamadas redes sociais.

Lançado no final de 2010, o site do projeto é o local onde as informações relacionadas à iniciativa são concentradas. Além da difusão praticamente diária de informações digitais ligadas ao mundo da música, o projeto conta também com ações presenciais.

Nesse âmbito, a estratégia é oferecer desde capacitação até consultorias às pessoas envolvidas com a cadeia produtiva da música.

Outra frente de ação do projeto é a realização de estudos. “Essas pesquisas e estudos são importantes para que entendamos o funcionamento atual desse segmento, sempre da perspectiva do mercado. Não se trata de estudos sociológicos”, diz Heliana. Um dos estudos está sendo realizado com o Instituto Overmundo, que investigará quais modelos de negócios são utilizados atualmente em diversos cenários musicais, do hip hop ao rock.

Por sua vez, a FGV, uma parceira importante do projeto, está desenvolvendo capacitações on-line. O formato digital é importante por possibilitar a disseminação das capacitações até a periferia, onde o movimento musical costuma ser intenso.

“As lan houses são o grande local do acesso e da distribuição de informação pela internet. Então estamos construindo essa ponte também”, diz a diretora de economia criativa do Sebrae-RJ.

Até o meio deste ano, cerca de 2,3 mil pessoas vinculadas à cadeia produtiva da música passaram por alguns dos encontros realizados pelo Estrombo. Além disso, aproximadamente 12 mil interessados consultaram ou acompanham as ações do projeto por meios digitais.

Desafio

“Devido à crescente importância do capital intelectual, das aglomerações criativas, temos um novo desafio, que é saber como iniciar um processo de desenvolvimento envolvendo esses agrupamentos”, diz Luciano Schweizer, especialista do Fundo Multilateral de Investimentos (Fomin) e responsável técnico pela supervisão do Estrombo no BID.

Segundo ele, o apoio ao projeto significa um aprendizado para o banco. “Esperamos construir metodologias, análises e ferramentas para pensarmos em outras ações similares no futuro como iniciar um processo de desenvolvimento envolvendo agrupamentos”, diz Schweizer.

Ele acrescenta que o projeto, aprovado e assinado em 2009, é uma primeira aproximação do BID da seara da economia criativa com o objetivo de criar uma metodologia própria para esse segmento econômico.

Para Paula Martini, pesquisadora do Centro de Tecnologia e Sociedade (CTS) da FGV, as transformações do mercado musical não significam que a música está em crise, mas sim o modelo de negócio da indústria fonográfica.

“A música em si nunca esteve tão bem. O impacto da tecnologia na indústria da música foi positivo. Como ocorre em todos os momentos de ruptura, estamos vendo os papeis se rearranjarem”, afirma. “No momento atual, a boa ideia ultrapassa a criação artística. Ela também precisa estar presente na atuação comercial do produto cultural”, diz.

(Fonte: Brasil Econômico)

Be Sociable, Share!

Posts relacionados

Deixe um comentário

Farol Digital

 

Siga o @estrombo

Facebook