Tags

Archive for abril, 2012

Sampling: criando obras derivadas com a produção de terceiros

Lucignolo - LAB - flickr - renzo_giusti - 3092787756 - CC BY-SA 2-0

É muito comum que os músicos – e todos os artistas, em geral – sejam cobrados quanto à originalidade de seus trabalhos. Muitas vezes, o processo de criação envolve a maneira como o artista lida com suas referências, seja na melodia, no arranjo ou na letra. Em outra direção, a citação pode ser ainda mais explícita, como é o caso do sampling.

A prática do sampleamento tem sua origem com a música eletrônica. No início, os produtores pegavam trechos de músicas gravadas por terceiros e criavam uma obra completamente nova, repetindo esse trecho na faixa para fazer a base. Em alguns casos, o pedaço escolhido era tão retrabalhado que pouco se assemelhava à gravação original. Assim, o sample tornou-se elemento fundante de certos gêneros musicais e culturas como a da própria música eletrônica, do hip hop e, no Brasil, do funk carioca. Veja no vídeo abaixo uma sessão do DJ Sany Pitbull que traz uma série de referências para o funk.

Alguns músicos vão ainda mais além. É o caso do projeto Girl Talk, criado por Gregg Gillis, que usa trechos de músicas bastante conhecidas do universo pop para, através da técnica de mashup, criar suas faixas originais. O álbum “Night Ripper”, de 2006, usa quase em sua totalidade samples de mais de 100 gravações, indo de Britney Spears a Fleetwood Mac.

Quando se trata se sampleamento, é claro que não se deve deixar de lado a proteção legal das obras das quais são extraídos os trechos. Muitos compositores não se sentem à vontade em ter pedaços de suas músicas usadas em outras. Por outro lado, muitos daqueles que liberam suas canções querem receber pelo fragmento utilizado. E não há nada mais justo: afinal, os músicos devem receber por suas criações “primeiras”, sem as quais as obras derivadas não existiriam.

Todavia, ao paramos para pensar no processo de criação, o debate fica ainda mais complicado. Ainda que não intencionalmente, é fato que artistas fazem referências a uma série de obras, materializando suas influências na gravação. Por isso, no que diz respeito ao uso dos samples, o que está em questão aqui é o ponto: quais o limites para a originalidade musical hoje? Criar a partir da obra de terceiros é um processo menos autêntico do que fazer uma composição “do zero”? Como lidar com os diretos autorais (e os custos de transação para autorização dos autores) relacionados a cada música sampleada?

No próximo post, entenda melhor como lidar com os pequenos trechos na música.

Acompanhe o Estrombo também no Twitter, no Facebook e no Youtube.

Já pensou em usar GIFs para divulgar a sua música?

Foto: Die Felsen im Studio, por scytale, CC BY 2.0

Quando se trata de divulgar um trabalho musical, os artistas precisam estar atentos às possibilidades da cultura digital. Quanto maiores as facilidades de gravação e produção, mais músicos usam as ferramentas para dar corpo às suas ideias – e, com mais músicos trabalhando, mais acirrada é a competição pela atenção do público. Assim, vão se destacar os que pensarem “fora da caixa” e utilizar os canais certos para atingir os fãs.

Um exemplo de estratégia criativa de divulgação é a do rapper Theophilus London, que esteve no Brasil em 2010. O nova-iorquino vai lançar um CD de remixes do seu último trabalho “Timez Are Weird These Nights” e está usando um método nada convencional para divulgar as músicas: GIFs animados. O disco, que foi lançado no dia 24 de abril, está sendo patrocinado pelo buscador Bing, da Microsoft, e terá um GIF para cada faixa, produzida pelo Mr-Gif.com.

Retomando parte da discussão anterior sobre a importância das capas de discos, esse caso mostra na prática como a imagem é importante na complementação de um trabalho musical.

Mais uma curiosidade: como quase todos os DJs que participam do trabalho de London já são conhecidos, o artista, em parceria com o Bing e o Talenthouse lançou um concurso para que DJs fizessem uma nova versão para a faixa “Around the World”. O ganhador não só participará do disco, como ganhará US$ 3.500.

Confira o tumblr com os GIFs publicados até agora e ouça uma das faixas do disco.

Acompanhe o Estrombo nas nossas redes: Twitter, Facebook e YouTube.

Com informações do Mashable

Foto: Die Felsen im Studio, por scytale, CC BY 2.0

Björk e o app Biophilia: para vender música, vale a criatividade

Você já parou para pensar por que, apesar da facilidade em adquirir música gratuitamente na rede, muitas pessoas ainda pagam por elas?

É verdade que ainda existe uma série de modelos de negócio que usam métodos mais tradicionais na hora de vender seu produto – e, uma vez que dê resultados, não há nada de errado com isso. Por outro lado, diversos artistas exploram formas cada vez mais criativas de comercializar sua produção.

A cantora Björk, por exemplo, lançou um “álbum-aplicativo” no fim do ano passado para que os seus fãs pudessem expandir a experiência musical e “jogar” as canções de seu disco “Biophilia” enquanto as ouvem. O aplicativo sem as músicas é gratuito nos dispositivos da Apple, como iPhones e iPads. Para usufruir de toda a funcionalidade do programa, o usuário precisa pagar US$ 1,99 pelas faixas individuais ou comprar todas de uma vez por US$ 9,99.

Björk - Biophilia - Virus

A música-aplicativo "Virus", do disco Biophilia

Independentes entre si, todos os aplicativos tentam traduzir o conceito do álbum: a relação entre natureza e tecnologia. Acessando cada um dos apps, o usuário pode ouvir a música com o acompanhamento da letra ou partir para o conteúdo interativo, onde é possível manipular os elementos sonoros de determinadas faixas enquanto passa os dedos pela tela. O software é tão sedutor que, muitas vezes, o fã acaba comprando faixas por impulso com o objetivo de explorar ainda mais as possibilidades de interação de “Biophilia”.

Palestra com o criador do aplicativo

No início de maio, Scott Snibbe, o artista e pesquisador responsável pelo desenvolvimento de “Biophilia”, vem ao Brasil para uma palestra sobre “Tecnologia aplicada à produção musical”. O workshop é parte da programação do Festival Sónar – Festival Internacional de Música Avançada e New Media Art – que acontece em São Paulo nos dias 11 e 12 de maio. E no dia 11, às 23h, a própria Björk traz o seu show para o público brasileiro.

Acompanhe o Estrombo também nas nossas redes: Twitter, Facebook e Youtube.

Qual a importância da “arte de capa” do álbum na cultura digital?

Vinyl Heaven

Com a desmaterialização da música, muitos achavam que o álbum – entendido aqui como um projeto fechado proposto pelo artista – acabaria. A possibilidade de comprar ou baixar as músicas individualmente estariam levando à derrocada do produto mais consolidado da indústria fonográfica.

Um dos principais elementos componentes do álbum é, sem sombras de dúvida, a capa. Desde os anos 50, quando a indústria fonográfica começava a se consolidar, músicos viam que a capa era uma outra forma de comunicar a música. Muitas vezes, a capa cumpre a função de traduzir visualmente as faixas ou o nome do disco. Em outro casos, trata-se de uma escolha nada aleatória da imagem que determinada banda quer passar para o público.

Assim, são incorporadas à cadeia produtiva da música fotógrafos, desenhistas, designers, todos eles deixando suas marcas nos trabalhos dos músicos. Nos anos 60 e 70, a capa tornou-se uma importante parte da nossa cultura, ganhando status de coleção, especialmente através de bandas como Pink Floyd, Queen e The Rolling Stones.

Álbuns

As capas de disco já estão de tal maneira presentes no nosso imaginário que até os novos formatos de áudio digital e tocadores de música incorporaram no seu design um espaço para inserirmos as fotos do disco. Assim, mesmo quando não temos a capa do vinil ou CD em mãos, podemos ser afetados por essas criações.

Acompanhe o Estrombo também nas nossas redes: Twitter, Facebook e Youtube.

Com informações do Music Think Tank

Foto: Vinyl Heaven, por realsmiley, CC BY 2.0

Pinterest: você sabe o que é (e já faz parte dele)?

Foto: Teh Jukebox, por mxcl, CC BY-SA 2.0

Nos últimos meses, uma nova rede social vem chamando a atenção dos internautas. O Pinterest ainda está em fase de convites e lista de espera, mas já é a terceira rede social mais popular dos Estados Unidos.

Gráfico Pinterest

O gráfico mostra o crescimento do Pinterest até o fim de janeiro

O Pinterest é como um mural onde o usuário pode compartilhar coisas interessantes encontradas na internet, “pregando-as” nesse espaço. Em alguns aspectos, lembra bastante as ferramentas de social tagging, como o del.icio.us, onde catalogamos nossos links favoritos, podendo deixá-los públicos para outras pessoas. De certa forma, o Pinterest faz a mesma coisa, mas com maior apelo visual.

Com a crescente popularidade, já existe uma série de desenvolvedores independentes criando plug-ins e extensões para ampliar o seu uso. E não vai demorar para que artistas e fãs de música se apropriem da rede social, assim como aconteceu com o Twitter e com o Instagram. O Hypebot, influente site sobre novas tendências na cultura da música, possui um perfil na rede social, com diversos gráficos e vídeos com os assuntos abordados no blog.

É claro que essa tendência é uma aposta. Nessa direção, vêem surgindo na rede alguns sites que se dizem “o Pinterest da música”, como o Sworly e o This Is My Jam. A diferença é que esses ainda não possuem a mesma adesão do primeiro.

Quando se trata de música on-line, as redes sociais são ferramentas que estimulam novas formas de consumo musical, além de poderem ser consideradas um importante canal de distribuição.

Se você já usa o Pinterest, conte sua experiência pra gente nos comentários e mande o link da sua conta.

Acompanhe o Estrombo também no Twitter, no Facebook e no Youtube.

Foto: Teh Jukebox, por mxcl, CC BY-SA 2.0

Farol Digital

 

Siga o @estrombo

Facebook